Tacio Philip Sansonovski - fotógrafo macro e montanhista
Fanpage Tacio Philip
> busca
página inícial
últimas notícias
lojinha

sobre
- Tacio Philip
- currículo
- meu blog

montanhismo
- no Brasil
- alta montanha

arquivos
- gps
- cartas topo
- wallpaper

postagens recentes
.: ver todos :.:

contato
- email


Adote um Gatinho


Eu não uso drogas!

Blog Tacio Philip
Contato | Listar todas postagens

25/11/2016 16:23:21 - Show Guns N Roses em Curitiba, viagem pelo PR e outros

Faz um "tempinho" que não atualizo o blog com notícias mas isso tem uma justificativa: tenho me dedicado basicamente à casa em Bragança Paulista, a pedalar (isso bastante, praticamente 2x por semana tendo até pedalado de Capivari até São Paulo uma vez - 144 km), namoro, a rotina "normal" de cursos presenciais e virtuais e, mais que tudo: não tenho tido saco para dar satisfação do que ando fazendo ;-)

Entretanto, na semana passada, fugindo um pouco da "rotina", na 3ª feira de feriado, dia 15, seguindo no contra fluxo das "pessoas normais" pegamos estrada rumo Sul, descendo para o litoral, dando uma passada em Itanhaém para ver se a antiga casa dos meus pais ainda existia, almoçamos em Peruíbe e seguimos então para Curitiba, onde pretendíamos chegar no dia seguinte mas, como não achamos nada com preço justo para nos hospedarmos no caminho, acabamos parando então em um hotelzinho em frente à rodoviária para o merecido jantar no Shopping Estação e depois a merecida noite de sono.

No dia seguinte acordamos, demos uma andada pelo Mercado Municipal, Rofo-ferroviária (ou é Ferro-rodoviária?) e quando deixamos o hotel pensando em deixar o carro no centro e passar o dia por lá, a chuva chegou. Sem querer tomar banho aquela hora voltamos então para o Shopping Estação (pelo menos é coberto) onde almoçamos, passamos no museu ferroviário e, felizmente, logo a chuva passou deixando que escapássemos de lá.

Voltando aos planos anteriores fomos então para a região central, estacionamos o carro e fomos então andar, passeando por museus, galerias, lojas até o final da tarde, quando pegamos o carro e seguimos ainda para o Parque Barigui onde aproveitamos para andar mais um pouco e eu fazer umas fotos para vender em banco de imagens.

Com o final da tarde chegando seguimos então para a casa da Regina, prima da Lorena, que nos hospedaria em seu apartamento nos 2 dias seguintes. Lá chegando muita conversa, uma saída pra pizza e depois mais conversa, banho e uma boa noite de sono.

No dia seguinte, dia 17, acordamos, tomamos café, almoçamos e logo a Lorena e eu nos arrumamos para o objetivo principal dessa viagem: assistir ao show do Guns N Roses, turnê Not in this lifetime latin america, em Curitiba, na Pedreira Paulo Leminski, local que há muuuito tempo eu queria assistir um show.

Devidamente arrumados e com lanche e roupas para frio na mochila, perto das 14h saímos e seguimos então para a Pedreira, estacionando o carro em uma rua há uns 5 quarteirões de distância (não tem estacionamento oficial e o pessoal estava cobrando R$ 50,00 para estacionar pelas casas mais próximas). De lá entramos na fila e rapidamente estávamos na pista comprando uma cerveja (com copo personalizado) e indo sentar na parte de trás da pista, na sombra, enquanto esperávamos o tempo passar (e de olho no céu que prometia chuva).

O tempo foi passando, a chuva não veio e, perto das 19h, com o Sol se pondo, nos levantamos e resolvemos ir mais para a frente na pista, onde poderíamos ver melhor o show, que estava programado para daqui a 1 hora.

O tempo foi passando, o público na pedreira parecia estar dormindo (pessoal que não agita nada!), começou o show da Plebe Rude e, com o chegar da noite, quase às 20h, a hora prevista para o início do show do GNR, a ansiedade aumentava. Foi perto dessa hora que, conversando com um pessoal que estava na nossa frente, quando um comentou sobre a "oportunidade única" de ver Axl, Slash e Duff juntos no palco, eu disse que eu já tinha visto isso, e ainda com o Matt e Izzy, em 1992 no Anhembi. Nessa hora até me senti importante vendo a cara de surpresa do pessoal (somada a cara de chapado de alguns deles) :-)

Mais uns minutos passaram e, finalmente, começou um PUTA DE UM SHOW! Diferente dos shows do GNR que vi também em 2001, 2010 e 2014, o Axl estava super animado e afinado. A banda então, nem precisa comentários, e foram quase 3 horas de show com músicas que eu nunca imaginava assistir ao vivo (ponto alto para Coma). O setlist foi:

- Its So Easy
- Mr. Brownstone
- Chinese Democracy
- Welcome to the Jungle
- Double Talkin Jive
- Better
- Estranged
- Live and Let Die
- Rocket Queen
- You Could Be Mine
- New Rose (with "You Cant Put Your Arms…")
- This I Love
- Used to Love Her
- Civil War
- Coma
- Speak Softly Love (Love Theme From The Godfather)
- Sweet Child O Mine
- Out Ta Get Me
- Wish You Were Here (Pink Floyd cover) (Slash & Richard Fortus guitar duet)
- November Rain ("Layla" piano exit intro)
- Yesterdays (preluded by Happy Birthday to Richard Fortus)
- Knockin on Heavens Door
- Nightrain
Encore:
- Patience (with "Angie" by The Rolling Stones intro)
- The Seeker
- Paradise City
(fonte: setlist.com.)

Com o final do show, sem termos nos molhado com a prevista November Rain, seguimos então de volta pro carro, conseguimos fugir do trânsito e logo estávamos novamente na casa da Regina para o merecido jantar, banho e cama.

No dia seguinte acordamos mais tarde, comemos e ficamos então batendo papo até logo em seguida almoçar, repondo as energias queimadas no dia anterior. Com muitos km ainda a rodar nos despedimos da Regina e então seguimos nosso caminho, saindo logo para procurar um capuccino para dar uma acordada. Foi nessa hora que o 2º ponto alto da viagem aconteceu: ao ver uma loja com uma pintura de xícara na parede paramos esperando que fosse uma padaria, mas não era, era apenas uma loja de chás e afins. Entretanto, bem ao lado da loja, tinha uma agencia de autos e, bem no meio dela, uma Ferrari amarela estacionada.

Entramos na agencia, dei uma volta ao redor da Ferrari, fui até o fundo olhar ainda um Porsche e depois, quando dava mais uma volta ao redor daquela maravilha amarela, veio conversar conosco quem deve ser o dono da agência. Batendo papo ele disse que estava a venda por R$ 499.000,00, era ano 2005 e então perguntei se podia ver ela por dentro. Vendo que ela ainda estava trancada ele buscou a chave, abriu o carro e então eu pude, pela primeira vez, entrar e sentar dentro de um "carrinho" daquele (não quero morrer antes de pilotar algum superesportivo como esses - ah! no dia anterior, voltando do show do GNR, tínhamos parado para olhar uma Lamborghini pelo lado de fora de outra agência). Se você tiver algum carro desses ou souber de alguma pessoa caridosa que possa me deixar dar uma volta e puder me ajudar, agradeço ;-)

De volta ao mundo real, na minha Weekend, seguimos então nosso caminho e logos achamos um lugar onde provavelmente teria um capuccino (lanches au-au). Foi um capuccino caro mas gostoso e então, mais acordado, pegamos estrada rumo interior do PR, fazendo apenas pausa em duas lojas de porcelanas, uma genérica e depois na loja da fábrica da porcelanas schimidt, onde compramos um kit de jantar/chá (sim, estou ficando velho comprando porcelanas pra casa) :-P

De volta a estrada seguimos então para Ponta Grossa, onde moram os avós paternos da Lorena, onde chegamos no final da tarde. Lá, como esperado, um banquete de pães, bolos, pudins - tudo isso poucos minutos antes do jantar. Com o chegar da noite e o cansaço batendo, fomos então dormir para, no dia seguinte, termos mais um dia de muitas comidas gostosas feitas pela vó da Lorena.

Durante esse dia, já dia 19, saímos só para dar uma volta pela Havan e pela cidade mas, como eu estava com ameaça de resfriado, resolvemos voltar pra casa pra me poupar para o logo dia de estrada que teríamos no dia seguinte.

No dia 20, Domingo, acordamos, tomamos café e logo começamos a arrumar nossas coisas. Perto das 11h nos despedimos e, novamente, estrada, agora sentido interior de SP, pegando uma estrada que eu ainda não conhecia.

No retorno fizemos pausa para almoço, pausa para fotos e um pequeno desvio em estradas dentro de uma plantação de eucalipto, pausa pra cafezinho, pausa pra mais fotos e então, umas 7h depois, chegamos, finalmente, em Capivari para o merecido descanso.

De lá, no dia seguinte estrada para São Paulo e o resto da semana "normal", sem nenhum evento excepcional, só aproveitando para colocar tudo em dia e fazer um "bate-volta" em Bragança Paulista na 4ª feira. E, agora que está chegando o final de semana, amanhã é mais dia de show, com a vez de assistir Heidevolk e Terra Celta (entre outros) em São Paulo.

Algumas MUITAS fotos do show do Guns N Roses podem ser vistas em Show Guns N Roses - Curitiba - PR.

Enviado por Tacio Philip às 16:23:21 de 25/11/2016



18/08/2016 17:07:17 - Como calcular área no GPS percorrendo perímetro e como converter caminho em polígono - Google Earth e Trackmaker

Um dos grandes usos dado aos aparelhos GPS é para a medição de áreas. Seja um terreno urbano, um parque, uma área rural, você pode, percorrendo o seu perímetro, calcular a área tanto no próprio aparelho GPS (nos modelos que oferecem essa função) quanto salvando o trajeto (track/caminho) percorrido no GPS e posteriormente, calcular usando o seu computador.

O primeiro vídeo abaixo fala sobre as definições dos termos GPS (waypoint, track, rota) e os dois seguintes ensinam como efetuar cálculos de área (um no GPS e outro no computador). Todos eles são aulas resumidas do Vídeo Curso GPS: Operação, tratamento de dados e planejamento de roteiros.

No curso completo, além dessas funções serem abordadas mais profundamente, apresento mais de 5 horas de vídeo aulas ensinando como usar seu aparelho GPS e, principalmente, como baixar seus dados para o computador, como realizar o tratamento de dados usando o Trackmaker, como analisar resultados no Google Earth e, também, planejar roteiros no PC usando softwares para criar arquivos que podem ser enviados para o GPS para navegação. É um curso bem completo para todos os usos, desde o uso para lazer/esportivo quanto para uso profissional (sem esquecer o uso urbano, onde você aprenderá também como colocar mapasroteáveis detalhados e alertas de radar, polícia etc. no seu GPS usando os arquivos Tracksource e software Basecamp/Mapinstall).

Acesse a página do curso para saber todos os tópicos abordados

Neste primeiro vídeo, para introdução, falo sobre os principais termos do mundo GPS: waypoint, track e rotas, mostrando o que são e quais suas diferenças.

Neste segundo vídeo ensino como calcular a área diretamente no GPS, usando os modelos etrex 30 e map60csx (o modo de calcular com outros modelos GPS Garmin é bem similar - quando oferecem essa função), podendo ainda, ao final, converter a unidade do resultado e salvar o trajeto percorrido.

Neste terceiro vídeo mostro como efetuar o cálculo de área, no seu computador, a partir de um trajeto (track/caminho) percorrido e salvo no GPS, sem a necessidade do uso de softwares pagos. Inclusive, ensinando uma das maiores dúvidas e maiores macetes para quem faz medições com GPS: como converter caminhos em polígonos do Google Earth, usando o GPS Trackmaker, para posterior cálculo de área de volta ao Google Earth.

Se gostou desses resumos acesse também o Vídeo Curso GPS: Operação, tratamento de dados e planejamento de roteiros e se inscreva no curso completo. Te garanto que não vai se arrepender e você vai aprender muito mais do que você já imaginou ser possível com um simples aparelho GPS da Garmin!

Enviado por Tacio Philip às 17:07:17 de 18/08/2016



03/08/2016 15:12:59 - Vídeo curso operação, planejamento e tratamento de dados GPS

Vídeo Curso GPS: Operação, tratamento de dados e planejamento de roteiros

Já está no ar mais um dos meus vídeo cursos, agora com um tema que sempre fui cobrado por diversos alunos ou pretendentes: o uso de aparelhos GPS, transferência de dados e planejamento de roteiros (além de abordar também algumas funções usadas profissionalmente como cálculo de área e desnível acumulado).

Há mais de 15 anos uso aparelhos GPS Garmin para mapear e planejar minhas atividades, principalmente viagens longas, ciclismo e montanhismo. Agora, depois de ter dado cursos e aulas particulares para mais de uma centena de pessoas, das mais diferentes áreas de interesse (offroad, viajantes, pescadores, pilotos, montanhistas, praticantes de voo, pessoas que usam o GPS profissionalmente etc. etc. etc.) sobre como usar seu aparelho, como planejar roteiros e como tratar os dados GPS e, depois de muita cobrança dos interessados, ai vem este novo curso no formato de vídeo aulas, podendo ser acessadas por qualquer um com um PC, notebook, tablet ou celular com acesso à internet.

Se inscreva agora mesmo!
Para outros métodos de pagamento (transferência/depósito BB, Bradesco, Itau, paypal ou pagseguro) ENTRE EM CONTATO!

GPS compatíveis com o curso:
Garmin eTrex (todos), GPSmap (60, 62, 64, 72, 76, 78 séries C, Cx, CS, CSx, S, ST, STC etc.), Montana, Colorado, Oregon, Edge, Dakota etc.

Temas abordados em mais de 5 horas de vídeo aulas:

- Definições: waypoints, tracks e rotas

+ Softwares
- Basecamp (mapinstall)
- Tracksource
- GPS Trackmaker
- Google Earth
- USB Drivers

+ Uso so aparelho GPS
- Apresentação GPS e páginas
- Configurações coordenadas, datum e unidades
- Criar waypoint
- Procurar e navehar para waypoint
- Criando e navegando em rotas
- Navegar na tela de mapas
- Salvar track
- Navegar track
- Navegação Urbana com mapa roteável
- Cálculo de área

+ GPS Trackmaker (GTM)
- Edição de tracks e waypoints
- Inserção de imagens e mapas georreferenciados
- Planejamento de tracks e waypoints
- Integração com o Google Earth

+ Google Earth
- Planejamento de tracks e waypoints
- Onde encontrar arquivos para o GPS
- Perfil de elevação e desnível acumulado
- Cálculo de área

+ Google Maps
- Planejamento de tracks e waypoints

+ Transferência de dados
- Definições: formatos de arquivos
- Download de dados GPS e abertura de arquivos
- Transferência e tratamento de dados para GPS
- Atualização de mapas do GPS
- Inserção de pontos de alerta (radar, polícia, velocidade etc.)

São mais de 5h em vídeo aulas, com qualidade HD, que podem ser acessadas de qualquer dispositivo com acesso à internet (celular, tablet, PC, notebook) sem a necessidade de downloads pesados de vídeos.

O seu acesso à página do curso, onde estão todas as vídeo aulas separadas por tópicos, se dá via login e senha pessoal e você terá 365 dias (1 ano) de acesso livre a todo o conteúdo do curso, podendo acessar todas aulas, quantas vezes quiser, durante este período!

Investimento:
- R$ 250,00 R$ 199,00 (Preço especial de lançamento!)
O curso pode ser parcelado em até 12x via mercadopago (cartão de crédito)!

Se inscreva agora mesmo!

Caso queira fazer uma aula prática em campo, também é possível! Qualquer dúvida ou para informações sobre os outros métodos de pagamento (transferência/depósito BB, Bradesco, Itau, paypal ou pagseguro) ENTRE EM CONTATO!

FAQ:

P: Este vídeo curso é como outros na internet onde uma apresentação powerpoint com texto é lida pelo professor?
R: Claro que não, este vídeo curso mostra realmente as ações explicadas, veja no final dessa página uma aula (resumida) do curso.

P: Por que fazer esse curso em vez de ler o manual do GPS?
R: Pode-se dizer que mais de 70% do ensinado neste curso não é ensinado no manual do aparelho!

P: Vou aprender a colocar mapas e alerta de radar no GPS?
R: Sim.

P: Acabei de comprar um GPS, o curso vai ser útil?
R: Sim. É ensinado tanto como usar diversas funções do GPS quanto funções avançadas de dados no computador.

P: Vou aprender a cálcular área?
R: Sim. Tanto direto no GPS quanto via software no PC.

P: Vou aprender a planejar uma viagem ou um caminho que não tenha trilha aberta?
R: Sim.

Resumindo:
Você vai aprender a visualizar seus caminhos percorridos ou criar novos sobre uma carta topográfica (mapa) no GTM ou relevo no Google Earth, vai aprender a atualizar seus mapas e pontos de alerta como radares e polícia (GPS que aceitem esses dados), vai aprender a cálcular área no GPS ou, a partir de waypoints ou de um perímetro percorrido com o GPS, calcular a área no computador, vai aprender a fazer download e upload de dados pro seu GPS, vai aprender a editar os arquivos crus do GPS de modo que fiquem muito mais "legíveis" e organizados, vai aprender a navegar com o aparelho GPS de diversas maneiras, vai aprender a criar caminhos no Google Maps e enviar para o GPS, vai aprender como colocar uma carta topográfica com curvas de nível sobre o relevo do Google Earth e poder planejar um caminho sobre ela, vai aprender a fazer download de arquivos para GPS, a editá-los e transferí-los para o GPS, vai ter o link para download dos softwares Basecamp, GPS Trackmaker, Google Earth Pro, mapas do Tracksource e muito mais!

Enquanto isso veja abaixo esses dois resumos de aulas do curso.

Definições waypoint, track e rota

Como calcular área a partir de perímetro percorrido com GPS - como converter caminho em polígono no Google Earth

AGUARDO SEU CONTATO E SUA INSCRIÇÃO!

Enviado por Tacio Philip às 15:12:59 de 03/08/2016



13/07/2016 16:06:34 - Travessia Transacamelônica e escaladinhas na Pedra do Camelo - uma semana no PNI - dia 5

Depois de uma quase roubada, no dia anterior, no Morro do Urubu, este último dia no PNI foi reservado para algo mais light.

Já era o 5º dia que estávamos no Abrigo Rebouças e chegara a hora de ir embora. De manhã tomamos café, arrumamos as coisas, limpamos o abrigo e logo seguíamos até a saída do parque.

Após acertar as formalidades (devolver fitas, assinar saída, devolver chaves...) saímos e seguimos caminho então até o antigo Alsene, onde paramos os carros e, enquanto o Flávio, Rogério e Alessandro (o chorão das pernas bambas que precisou dos meus bastões de caminhada emprestados e ainda quebrou um no meio) subiam para a Pedra Furada, a Lorena e eu fomos então fazer a travessia mais difícil, mais temida, que mais necessita de preparo físico e psicológico do Brasil, a Transcamelônica (leia isso com som de programas de sobrevivência da TV...).

Essa longa, difícil e perigosa travessia tem seu início na borda Noroeste da Pedra do Camelo e segue pelos seus muitos cumes e por suas longas e perigosas rampas de pedra até que, quando sobrevivem, os destemidos montanhistas que tem a coragem de enfrentar a verdadeira "travessia mais difícil do Brasil", saem, quebrados, cansados, com quilos corporais perdidos, em sua borda oposta, no Sudeste!!! (me deu uma vontade de voltar lá com tempo e fazer um filme...)

Abaixo panorâmica 360º do cume da Pedra do Camelo com montanhas identificadas - clique e arraste para rodar na panorâmica

Entretanto, a Lorena e eu não conseguimos terminar a travessia. Apesar de entrarmos pela face NO e seguir por seus cumes, acabamos parando para escalar uma de suas vias próximas da cabeça do camelo (esqueci o nome, um VIsup bem encrencado) e depois, em uma medida de desespero, sem completar o trecho final da travessia, descemos de rapel até a base de suas vias mais tranquilas, onde passamos mais alguns minutos escalando até que, perto da hora do almoço, o Flávio foi até lá nos avisar que eles já tinham descido da Furada.

Mesmo assim foi um ótimo dia, podemos dizer que fizemos pelo menos uns 4/5 da Transcamelônica e ainda algumas escaladinhas nas suas íngremes e longas e ameaçadoras paredes. E mais que isso, ainda fiz algumas fotos e pude espalhar o restante das cinzas do meu pai, que agora adubam as vegetações perto dos cumes do Agulhas Negras, Pedra do Altar, Morro do Massena, Prateleiras, Morro do Couto, Morro da Antena, Morro do Urubu e Pedra do Camelo além das proximidades do Abrigo Rebouças, Massena e o terreno da minha casa em Bragança.

De lá, alguns minutos de carro até as compras na Garganta do Registro e então seguir estrada (por uma escolha estúpida passando indo até Caxambu, antes de sair na Fernão Dias), para voltar para casa (e nessa viagem vi que acho que já estou morando em Bragança - como saí de viagem de lá e voltei para lá, acho que já posso considerar moradia oficial, mesmo ainda passando metade da semana lá e metade em São Paulo).

Como sempre, Itatiaia é ótimo (mesmo com roncos no abrigo) e o pessoal do nosso grupo, como sempre, nota 10. Outras oportunidades aparecerão e novamente estarei por lá!

E as fotos do último dia podem ser vistas em Pedra do Camelo.

Enviado por Tacio Philip às 16:06:34 de 13/07/2016



13/07/2016 15:47:02 - Subida do Morro do Urubu e passeio no Abrigo Massena - uma semana no PNI - dia 4

Depois da Travessia Couto-Prateleiras no dia anterior, no dia 7/7 acordamos com um vento muito forte e desanimador.

Ficamos um bom tempo no abrigo pensando no que fazer e, na minha cabeça, passavam duas opções. Tentar novamente emendar da Ruy Braga até a Pedra Assentada ou, se o tempo abrisse, descer até o Morro do Urubu, perto do abrigo Massena.

Sem o tempo melhorar e apostando nossas fichas, às 10h saímos a Lorena, Rogério e eu (a cada dia tínhamos uma perda na "equipe") pela estrada que leva até a travessia Ruy Braga (que vai até a parte baixa do parque) e então começamos a descê-la, com a esperança de melhoria do clima, até o abrigo Massena.

Neste dia Thor estava do nosso lado e, quanto mais descíamos, melhor ficava o clima. Durante a descida passamos do ponto onde tentei com o Rogério, há uns 2 anos, seguir até a Assentada mas, como para baixo estava bem aberto, preferi então seguir para o Urubu, montanha que eu havia subido duas vezes e as duas com tempo muito fechado.

No Abrigo Massena fizemos um lanche, espalhei mais cinzas, passeamos pelas suas ruínas e então seguimos até a bifurcação que leva até uma das casinhas de pedra e de lá pela crista rumo ao morro do Urubu.

No caminho, logo depois de descer até a base do Urubuzinho, vimos que a lagoa estava completamente seca e nela ainda achamos algumas pegadas de animais. De lá mais alguns minutos para cima chegamos ao cume do Urubuzinho, descemos novamente no lado oposto e então chegamos a subida final do Morro do Urubu.

No cume mais cinzas ao vento, mais lanche, mais fotos e então começamos a descer. Mas nada é tão simples assim. Do outro lado do rio, onde a crista sobe para a Assentada e Prateleiras, eu via algo que podia ser uma antiga trilha, então tentamos chegar até lá.

O começo do caminho, perto da lagoa, foi tranquilo, mas isso não durou muito. Depois de atravessar um charco seco e começar a subir em direção ao que podia ser uma marca, a vegetação fechava um pouco e, pior, duas matas de bambuzinho e capim elefante, por causa de riachos, para atravessar.

A primeira foi fácil, depois de uma tentativa frustrada direta seguimos a contornando por cima. A 2ª, de onde percebemos que não existia trilha lá (além de alguns vestígios de trilhas de animais), tinha que ser encarada de frente.

Fomos seguindo a passo de tartaruga, no riacho afundei a perna direita até a coxa na água mas aos poucos conseguimos atravessar e seguir até a crista de onde não devíamos ter saído, perto de uma das casinhas de pedra. Na casinha, olhando melhor onde estávamos e aproveitando para um lanche, vi que o que parecia ser uma trilha não era nada além da borda da vegetação, que muda com a altitude.

De lá, agora de volta a uma trilha "aberta", foi rápido seguir até encontrarmos novamente a Ruy Braga e então subir de volta para o abrigo, onde chegamos no final da tarde.

Apesar da roubada foi um bom dia, pela primeira vez consegui enxergar direito o Prateleiras e Assentada por baixo (quem sabe um dia não tentar chegar neles por lá) e andar no PNI sempre é bom. Agora era hora de mais um macarrão e mais uma noite mal dormida regada a uma sinfonia de roncos...

Algumas fotos se encontram no link Morro do Urubu.

Enviado por Tacio Philip às 15:47:02 de 13/07/2016



13/07/2016 15:33:52 - Travessia Couto-Prateleiras com cumes - uma semana no PNI - dia 3

Depois do dia anterior no Circuito 5 Lagos, Altar e Massena, o 3º dia no parque, dia 06 de Julho, foi reservado para a travessia Couto-Prateleiras, uma travessia clássica do parque que foi aberta oficialmente há pouco mais de 1 ano (antes era uma bela de uma aventura).

Sendo assim, depois do café da manhã, às 9h saímos do abrigo a Lorena, Flávio, Isabelle, Rogério e eu rumo ao Prateleiras (o Ale, que finalmente consegui levar até algum cume - Agulhas Negras no 1º dia - continuava reclamando de dorzinha nas perninhas fracas e chorando, por isso não nos acompanhou - novamente!).

Fomos seguindo pela estrada até seu final, pegamos a trilha para o Prateleiras e, antes de chegar na base, o Flávio disse que ficaria ali por baixo porque queria fotografar. Seguimos nós quatro, logo chegamos na base onde deixei escondido os bastões de caminhada e então começamos o trepa-pedra, pela face Sul, que nos levou até o cume.

No cume uma tentativa frustrada de trabalhar (consegui receber emails no tablet mas não conseguia liberar o acesso de um aluno a um dos meus vídeo cursos), diversas fotos, mais cinzas do meu pai espalhadas e então começamos a descida, pelo mesmo caminho da subida, vindo a encontrar com o Flávio perto da bifurcação da travessia até o Morro do Couto (durante a descida, enquanto o pessoal seguia eu fiz uma pausa e então consegui liberar o acesso para meu aluno - muito interessante "trabalhar" em um lugar daqueles).

Após uma pausa para lanche fomos seguindo nosso caminho, o clima na direção que íamos não estava muito colaborativo e trazia um vento bem forte mas seguimos o caminho até que, algum tempo depois, com um vento bem forte, temperatura perto dos 9º e já vestindo os anoraks, chegamos ao cume do Morro do Couto.

Lá no Couto mais fotos, mais cinza espalhada e, fugindo do vento e frio, logo começamos a descida. Fomos seguindo na frente a Lorena, Rogério e eu e, quando chegamos na estrada que leva ao Morro da Antena, esperamos alguns minutos e, como o Flávio e Isabelle não chegavam, imaginei que tinham parado para fotografar.

Seguimos pela estrada até o Morro da Antena, demos a volta ao redor da casinha no seu cume e, com o pôr-do-Sol chegando, começamos a descer vendo que o Flávio realmente tinha parado para fotografar mais acima na trilha. Durante nossa descida fizemos ainda algumas pausas para fotos mas logo estávamos na estrada e seguindo para o abrigo, onde chegamos já de noite, famintos e pensando no que fazer no dia seguinte!

Algumas fotos deste dia estão disponíveis no link Travessia Couto-Prateleiras.

Enviado por Tacio Philip às 15:33:52 de 13/07/2016



13/07/2016 15:18:49 - Circuito 5 lagos com cumes do Altar e Massena - uma semana no PNI - dia 2

Depois de ter subido o Agulhas Negras, no primeiro dia de uma longa semana no PNI, agora foi a vez de conhecer o novo Circuito 5 Lagos no parque.

Depois do café da manhã, às 9h saímos do abrigo a Lorena, Flávio, Isabelle, Rogério e eu rumo a essa nova trilha aberta pelo parque. O começo é pela trilha que segue para o Agulhas Negras, pegando então a bifurcação que segue para a Pedra do Altar, onde fizemos questão de passar para algumas primeiras fotos e eu espalhar mais um pouco das cinzas do meu pai.

Antes da subida final do altar, ainda na trilha que segue para o Rancho Caído, tem a saída do circuito 5 lagos, que vai margeando as encostas rochosas até chegar à cachoeira dos 5 lagos (que estava bem seca por causa da estiagem deste ano).

Até a cachoeira a trilha segue praticamente toda por lajes de pedras, contornando as cristas e, para mim, sem muitos atrativos (se eu a tivesse aberto o teria feito pela crista, de onde se tem uma visão muito mais bonita - sim, já estive por lá e lá em cima vale a pena). Entretanto, logo que passa da cachoeira (onde fizemos uma pausa para lanche) a trilha começa a ter uma linda visão do vale onde estão os 5 lagos (que podem ser vistos do Morro do Massena) com o Agulhas Negras e Pedra do Altar ao fundo, realmente um lugar fotografável e que merece um retorno com melhores condições de luz.

Fomos então seguindo a trilha até que passávamos entre o Morro do Massena e o seu cume Noroeste, onde fizemos então um desvio entre rochas e para cima até o cume do Morro do Massena.

O Morro do Massena é um grande platô e, há alguns anos, havia o subido e feito algumas fotos em sua extremidade oposta, e foi isso que fizemos. Seguimos alguns minutos pela crista, começando a descer um pouco até que chegamos a um penúltimo platô rochoso com uma espetacular vista com mais de 270º (da esquerda para direita podíamos ver a Serra Negra, Pedra do Sino de Itatiaia, Pedra do Altar, Agulhas Negras, Morro do Couto e Morro da Antena). Lá ficamos literalmente algumas horas, o Flávio e eu com os tripés montados e fotografando, apreciando e capturando fotos das montanhas com luzes que mudavam a cada minuto (o que até dificultava fazer panorâmicas).

O tempo passou, quem não fotografava já estava impaciente, então voltamos pela crista, descemos quase que pelo mesmo caminho que subimos e, de volta ao trecho final do Circuito 5 Lagos, saímos perto da portaria do parque, de onde era só seguir a estrada até o abrigo.

No abrigo mais uma noite mal dormida depois de mais um macarrão no jantar e já pensando nos planos do dia seguinte.

Algumas fotos deste dia podem ser vistas no link Circuito 5 Lagos e Morro do Massena.

Enviado por Tacio Philip às 15:18:49 de 13/07/2016



12/07/2016 21:35:39 - Subida do Pico das Agulhas Negras - uma semana no PNI - dia 1

Depois de quase 6 meses sem atualizar o blog, nada melhor que uma viagem para as montanhas para me animar a escrever.

Nesses últimos meses que se passaram não fiz uma montanha sequer, mas o tempo foi bem ocupado cuidando da minha nova casa em Bragança Paulista (desde Fevereiro), para onde pretendo me mudar em breve (já tenho passado pelo menos metade da semana por lá). Nos esportes me dediquei muito mais ao ciclismo, pedalando com a speed umas 2x por semana. E, como não poderia perder, em Março assisti com a Lorena, Leonardo e Manuela shows do Iron Maiden no Rio de Janeiro e em São Paulo.

Mas, voltando ao tema montanhas, há pouco mais de 1 mês o Alessandro reservou algumas vagas no Abrigo Rebouças (finalmente terminaram a longa reforma de uns 3 anos) e, no Domingo, dia 3 de Julho, a Lorena e eu nos encontramos ele, Fernanda e Isa no centro de Bragança Paulista e seguimos estrada por um caminho alternativo passando por Socorro, Bueno Brandão, Borda da Mata, Pedralva, Águas de Lindóia etc. até que chegamos ao Refúgio Picus, em Itamonte, onde passamos a noite.

No dia seguinte, dia 04/07, madrugamos, tomamos nosso café da manhã e seguimos estrada, chegando na entrada da parte alta do PNI perto das 7h. Lá preenchemos as devidas papeladas, pegamos as chaves e logo seguimos para o abrigo onde começamos a arrumar nossas tralhas já que outros grupos também se hospedariam por lá.

Ficamos um bom tempo esperando para ver se o Flávio Varricchio, Isabelle e Rogério (os outros 3 do nosso grupo) chegariam logo mas, como demoraram, às 11h o Alessando, Lorena e eu saímos rumo ao Pico das Agulhas Negras para a primeira montanha da semana.

A subida pelo Pontão foi sem surpresas e pouco depois das 14h estávamos no cume do Agulhas Negras assinando seu livro. Essa subida teve ainda um gosto especial, além de conseguir arrastar o Alessandro para algum cume em Itatiaia (já tínhamos ido juntos para lá diversas vezes e ele sempre se dedicava mais à foto que à montanha), aproveitei para levar as cinzas do meu pai, que morreu em Julho de 2013, e espalhar por algumas montanhas (como ele foi da AMAN, acho que foi um bom lugar).

Além do tempo que levamos para rapelar, subir, assinar livro, rapelar novamente e escalar antes de descer pela trilha, passamos um bom tempo no cume fotografando, conversando, espalhando cinzas e olhando a paisagem ao nosso redor, com uma linda e aberta vista que nos permitia ver até a crista do PNSO e 3 Picos.

Abaixo panorâmica 360º do cume do Agulhas Negras com montanhas identificadas - clique e arraste para rodar na panorâmica

O tempo foi passando e, perto das 15h30, começamos nossa descida, seguindo pelo mesmo caminho da ida e sempre fazendo algumas pausas para fotografias.

Com o final da tarde chegando e o cansaço e a fome batendo íamos descendo cada vez mais até chegarmos à trilha que leva a base até o abrigo, onde chegamos quase às 18h, com as últimas luzes do dia.

No abrigo encontramos o Flávio, Isabelle e Rogério, que haviam chegado perto das 13h, e logo fomos preparar o merecido jantar antes de uma longa noite de sono regada à ronco de outros hóspedes do abrigo (e o mais legal é ouvir justificativa de que "quem vai para um abrigo, deve levar tapador de ouvido"... é como quem entra em ônibus com o celular alto e ouvindo Funk dizer para quem não quer ouvir usar tapador de ouvidos... mas deixa pra lá...) :-P

E esse foi só o começo de uma longa semana no abrigo com muitas montanhas e fotografias!

Algumas fotos desse 1º dia podem ser vistas no link Pico das Agulhas Negras.

Enviado por Tacio Philip às 21:35:39 de 12/07/2016



Contato | Listar todas postagens

cursos diversos
- GPS: Operação, planejamento e tratamento de dados
- Escalada em Rocha
- Calculadora hp 50g
- Calculadora hp Prime
- Macrofotografia e close-up
- Photoshop para fotógrafos

aulas fotografia
- Fotografia Básica
- Macrofotografia e close-up
- Foto noturna
- Fotografia 3D
- Fotometria aplicada
- Workshops

fotografias macro
- tradicionais
- stacking
- anaglifos (3d)
- abstratas

fotos recentes
- odinskriegerfest
- show guns n roses - curitiba
- pedra do camelo
- morro do urubu
- travessia couto-prateleiras
- circuito 5 lagos e morro do massena
- pico das agulhas negras
- show iron maiden - sp
.: ver todos :.
.: buscar imagem :.

vídeos
YouTube

* será redirecionado para o site:
macrofotografia.com.br

free counters


© Tacio Philip - 2005/16
Não é permitida cópia parcial ou total do conteúdo ou código fonte deste site.
2 Usuários Online (231 nas últimas 24hs)